Tensão na Globo. Palmeiras não aceita ganhar menos que ninguém

 

A Globo nunca passou por um sufoco tão grande.

Jamais, em pleno Natal, não teve a certeza de que não teria o direito de transmitir os jogos do atual campeão nacional no Brasileiro do próximo ano.

Erro grave de avaliação da cúpula da emissora carioca, que acreditou estar o presidente Mauricio Galiotte blefando.

Desde março, há nove meses, não se levou a sério o recado do dirigente palmeirense, que não só não aceitaria receber 20% a menos nas transmissões pela tevê aberta e pelo pay-per-view, por ter assinado com o Esporte Interativo pelos jogos a serem mostrados nos canais a cabo.

Galiotte não só não aceitava o ‘castigo’, como, por exemplo, o Santos aceitou.

O dirigente avisou que queria a certeza que ganharia, no mínimo, o mesmo que Corinthians e Flamengo, na aberta e no pay-per-view.

Na tevê aberta, o acordo para 2019 é o seguinte. 40% dividido igualmente, 30% por posição na tabela e 30% por exibição dos jogos. Corinthians e Flamengo têm tradicionalmente mais jogos transmitidos pela Globo. E mais, no pay-per-view, a emissora resolveu pagar mais aos clubes de maior torcida. Ambos têm garantido, no mínimo, 18,5%. Mais a garantia de receber mais pelas placas publicitárias.

Galiotte foi claro.

Ou o mesmo que Corinthians e Flamengo, ou nada.

Sim, a direção palmeirense não quer se sujeitar a receber menos que os dois rivais. Por ser o atual campeão e ter a garantia de reforçar ainda mais o fortíssimo elenco para 2019. E não depende do dinheiro da Globo para sobreviver. A emissora pode ficar sem suas 38 partidas no Brasileiro, na tevê aberta e no pay-per-view.

E pode ficar pior.

Porque a postura firme de Galiotte contaminou os dirigentes do Athletico Paranaense e Bahia. Ambos que assinaram com o Esporte Interativo, seguem também firmes. Não aceitam a multa que a Globo quer impor de 20% a menos para que suas partidas sejam mostradas na tevê aberta e no pay-per-view.

Fonte: R7

Comentários